1

1
Vento nunca levará a História e as memórias!

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Hospital de Alcobaça



Estas duas imagens do Hospital de Alcobaça, terão certamente um intervalo de tempo enorme,  cerca de 70 anos (pelo menos).
Não me parece que valha a pena traçar o historial desta instituição, porque apetece referir que nas imagens as mudanças físicas não surgem de molde a chamar a nossa atenção!
Há de facto adaptações que ao tempo se tiveram de fazer, mas para o utente que "exigia" aí sim, francas melhorias no atendimento/clínico...parece-me que também não foi substancial a mudança e então, teremos que soltar o nosso lamento!




Hélio Matias


sábado, 19 de setembro de 2015

Casas Amigas do Ambiente


Numa visita a Viena, é recomendado visitar o edifício das vivendas sociais, construídas entre 1983-1985, projectado pelo arquitecto  Friedenreich Hundertwasser, como resultado das suas teorias e ideias, contras a arquitectura racional e ortogonal.
Nos edifícios encontramos superfícies ondulantes, cobertas com vegetação e árvores, cujos ramos saiem pelas janelas em grande variedade de cores e formas.
O arquitecto defendia que as casas deviam ser mais humanas e menos estandardizadas...como sempre se tornaram desde o início da era industrial.
É um exemplo de como a arquitectura pode ser um elemento que combina a funcionalidade e a estética, pois que nos rodeia durante todo o dia e influencia o nosso comportamento.





 Hélio Matias


Nazaré Mulheres na Fonte


É uma imagem que certamente já não veremos na Nazaré...a não ser que seja numa atitude turística.
A ida à fonte era uma actividade quase totalmente dedicada à mulher...quando muito o homem estaria presente para "dar uma ajuda"!
Ainda não havia água canalizada ao domicilio em todas as casas e então o recurso ao transporte e armazenamento em bilhas era a solução.
A Nazaré mudou, mas...esta imagem permanece!


Hélio Matias

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Terras de Cister - Onde são e Porquê?!




Prende-se ao início da História de Portugal, a existência e consolidação das Terras de Cister!
Com momentos conturbados e algumas vicissitudes ao longo dos séculos, soçobraram cerca de 1834 a quando da extinção das Ordens Religiosas em Portugal.
Seguíu-se o descalabro com o desmantelamento e destruição dum património riquíssimo, de que restou pràticamente as paredes do velho Mosteiro!
...Não é caso inédito entre nós!

A vasta região que outrora se designou por Coutos de Alcobaça, parte dum imenso território doado por D. Afonso Henriques a seu primo Bernardo de Claraval e à Ordem de Cister, a quando da conquista Santarém aos mouros. Esta doação não foi só confirmação dum voto formulado pelo rei no alto da Serra Albardos, mas também um acto decisivo para o reconhecimento pela Santa Sé da legitimidade da monarquia portuguesa. Posteriormente, este território foi alargado por sucessivas doações régias e de fiéis, chegando no reinado de D. Fernando a atingir o limite máximo. Comparava-se então a um gigantesco paralelogramo  atingindo a norte S. Pedro de Moei, a sul o Arco da Memória de Alvorninha, a oeste a linha da costa de S. Martinho / Salir e a oriente o Arco da Memória da Serra de Albardos. 
Os Coutos de Alcobaça abrangiam quatro portos de mar: Paredes, Pederneira S. Martinho do Porto e Alfeizerão e eram irrigados pelos rios Alcoa e Baça e diversas ribeiras, englobando também o mar interior de Alfeizerão e a lagoa da Pederneira - esta era bastante vasta, tendo início na Ponte das Barcas e prolongando-se para o interior até Cós.
Nestes domínios, os cistercienses construíram o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça e à sua volta praticaram uma política de arroteamento e povoamento, administrando - terras directamente através das granjas e indirectamente através dos Coutos - terras privilegiadas por não estarem sujeitas à jurisdição régia.Entretanto, à medida que os monges conversos foram diminuindo, o sistema exploração das terras de Cister foi-se modificando... Abandonando a cultura directa voltaram-se para os coutos, tentando atrair os colonos, dando-lhes sementes e alfaias, indicando as melhores práticas agrícolas, devido à experiência nas granjas do Mosteiro. Assim se foi processando o seu desenvolvimento, começando então a surgir povoações importantes, as chamadas vilas dos Coutos de Alcobaça. Algumas já não fazem parte do concelho, como Santa Catarina, Salir de Matos e Alvorninha, integradas no concelho de Caldas da Rainha, e Pederneira, actualmente no concelho da Nazaré.

in Roteiro Cultural da Região de Alcobaça 

Hélio Matias