1

1
Vento nunca levará a História e as memórias!

sexta-feira, 28 de junho de 2013

1º Padre Valadense - Manuel Sousa Carvalho




Esta é a cópia de Ordenação passada pelo 1º Cardeal Presbítero da Santa Igreja Romana...Patriarcado de Lisboa:
                                                                                      Saúde e Benção

- Fazemos saber que por parte do Reverendo Presbítero Manuel de Sousa Carvalho nos foi representado que Sua Majestade El-Rei lhe havia feito a mercê de o apresentar na paroquial Igreja de São Sebastião do Vallado, no concelho de Alcobaça, como nos fez constar pela Carta Régia de sua apresentação do teor seguinte = Dom Luiz por Graça de Deus Rei de Portugal e dos Algarves...aos treze de Outubro de 1881.

O Padre Manuel de Sousa Carvalho, apresentou-se na Igreja paroquial de São Sebastião do Vallado, no dia treze de Novembro de 1881...como a lei estipulava, 30 dias após a data da ordenação.
Este 1º Padre Valadense pertence à família de Amílcar de Sousa Gaspar.
Mais uma das muitas "potencialidades" ...que ao Valado temos de reconhecer!


Hélio Matias






quinta-feira, 27 de junho de 2013

Doenças são Resultado

Mohandas Gandhi (1869-1948), líder espiritual indiano
in Público

Hélio Matias

Novo Painel de Azulejo na Junta de Freguesia



Pode parecer que estou a repetir esta imagem...mas tal não é verdade.
Este é o novo painel de azulejos, a substituir o que existia antes das recentes obras no edifício da Junta.
O "verdadeiro" foi colocado aqui no Valado dos Frades, em 15 Abril 2009.
Qualquer semelhança é...pura coincidência, enquanto o primeiro era tão real que se conseguia identificar as pessoas...este é uma cópia sem qualidade.
Pior ainda, voltou a ser colocado numa parede lateral...num beco...como fosse vergonhoso mostrar a genuinidade do trabalho rural que era a alma do Valado.
Passados 50 anos continuamos envergonhados, mas agora...foi pior a "emenda que o soneto"!

Hélio Matias

quarta-feira, 26 de junho de 2013

1º Jornal do Valado - Alcoviteiro


Este é o 1º jornal que se publicou no Valado, no dia 1 de Março de 1938.
Chamado ALCOVITEIRO, foi todo ele da inspiração de Basílio Henriques Pedro e que também o subscreveu.
Ao que sei, é um exemplar único que guardo religiosamente, mercê da amizade que havia entre o Basílio e o meu pai.
Claro que se trata duma "brincadeira", e que procurou ironizar e caricaturizar factos e figuras do Valado, que por esta época apresentava uma vivência de pessoas e acontecimentos verdadeiramente relevantes.
E com a excepção do 1º jornal da BIR, mais nenhum outro jornal viu a "luz do dia"...infelizmente!

Hélio Matias





terça-feira, 25 de junho de 2013

Senhoras...o Verão chegou!


O Verão parece ter chegado, mas quando deveria ser um tempo para descompressão..."liberdade"...e tentar "limpar" a nossa cabeça de tantos problemas que nos assaltam, eis que não raras vezes se transforma num autêntico suplício.
As imagens hoje colocadas, remontam a Agosto de 1960, e todas se preocupam com problemas de sempre...a beleza...a cor da pele...a figura da mulher!...
Nada a opor, somente o trazer aos nossos leitores que os problemas, estes, são de sempre e pelos vistos tenderão a eternizarem-se!
...Se advierem benefícios...para quem o seguir!




Hélio Matias

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Máquina de Escrever



Este é um anúncio publicado no jornal Comarca de Alcobaça em 5 de Novembro de 1936.
Tem o interesse que cada um de nós lhe quisermos dar...obviamente, mas a intenção ao colocá-lo foi mais no sentido de chamar a atenção para um facto bastantes vezes aflorado...o grau de desenvolvimento que o Valado já apresentava há mais de 70 anos!
É que se hoje cada um de nós dispõe de um computador, etc...é preciso fazer um pouco de exercício para percebermos o que representava na época...uma máquina de escrever.
A intenção deste "blog" é procurar transmitir um pouco da história do Valado e...ela também passa por aqui! 


 

A máquina de escrever, máquina dactilográfica ou máquina de dactilografia é um instrumento mecânico, electromecânico ou electrónico com teclas que, quando premidas, causam a impressão de caracteres num documento, em geral de papel.

O método pelo qual uma máquina de escrever deixa a impressão no papel varia de acordo com o tipo de máquina. Habitualmente é causado pelo impacto de um elemento metálico, com um alto relevo do carácter a imprimir, numa fita com tinta que em contacto com o papel é depositada na sua superfície.

No fim do século XX tornou-se rara a utilização de máquinas de escrever na generalidade das empresas e na utilização doméstica, sendo substituídas pelo computador, que, com processadores de texto, possibilitam efectuar o mesmo trabalho de modo mais eficiente e rápido.

O profissional especializado em usar a máquina de escrever é chamado de dactilógrafo.

A invenção de um primitivo dispositivo de escrever mecanicamente é atribuída a Henri Mill, em 1714.

O italiano Pellegrino Turri introduziu, em 1808, o sistema de Teclado. Posteriormente, o mecânico norte-americano Carlos Thuber criou um modelo aperfeiçoado, com maior rapidez de escrita (1843). Outros nomes como os do norte-americano Burth, o inglês Jenkins, e o francês Pogrin, colaboraram para o aperfeiçoamento da máquina.

As primeiras máquinas imprimiam apenas em caracteres maiúsculos. Foi Brooks quem conseguiu a impressão dos caracteres maiúsculos e minúsculos.

A última fábrica que produzia máquinas de escrever não eléctricas, a Godrej and Boyce em Bombaim, Índia, encerrou em 2011, depois de ter vendido menos de 1.000 exemplares no último ano, definitivamente tornou-se numa peça de museu.

in Wikipédia

Hélio Matias
 



segunda-feira, 10 de junho de 2013

Agricultores Valadenses a Caminho das Culturas de Ervas Aromáticas...há 100 anos


Sempre Pioneiros...sempre disponíveis, eis um grupo de lavradores cerca de 1950, depois dum extenuante dia de trabalho passado nas CULTURAS das ERVAS AROMÁTICAS.
Vivam...as Aromáticas!

Hélio Matias

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Jazz...no Valado

  

E de novo a B. I. R., presenteia-nos com um festival de Jazz, o 16º.
Manter o nível e a periodicidade deste evento, onde acorrem imensos "melómanos", tem sido um trabalho que de grande pioneirismo se converteu quase num local de peregrinação!
Faltam ainda duas sessões, oportunidade para podermos passar algum tempo de deleite!
O Jazz no Valado...aguarda-vos!

Hélio Matias

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Nazaré - Saída dum Barco


Imagem com muitos anos...antes do aparecimento dos tractores...antes do porto de abrigo...mas do tempo em que na Nazaré havia pesca...barcos e...pescadores.
A imagem mostra outra vez a luta e a dificuldade duma vida de esforço!
Repare-se que há a necessidade de 3 juntas de vacas...homens a incentivar e...outros a colocar pranchas de madeira sob o barco, para este finalmente deslizar para terra firme.
Naquele tempo a vida era difícil, mas hoje...estará mais fácil?!

Hélio Matias